Ciências da Comunicação || 2º semestre


O 2º semestre mostrou-nos a capacidade que temos (que ter) para nos adaptarmos a novas situações. Para sermos mais proativos, para tentarmos fazer mais por nós, para perceber o que realmente queremos. Foram poucas as aulas presenciais e trocamos a sala de aula pela nossa casa. Trocamos abraços e bons dias por videochamadas.

A verdade é que, mesmo tentando ter uma rotina, acordar, banho, pequeno-almoço, aulas. Às vezes o horário trocava e o acordar colava-se às aulas, enquanto se comia uma torrada ao olhar para o ecrã. Não foi fácil, com falhas de internet, câmaras que teimavam em não ligar e microfones estragados. Mas cá entre nós, honestamente, eu gostei da experiência, e até preferi. Senti-me mais concentrada. Óbvio que passa muita coisa ao lado, principalmente nas componentes mais práticas, mas na teoria, eu preferi.


Tecnologias da Informação e da Comunicação || Abreviando, TIC. Word, excel, internet... Honestamente, senti que esta UC podia ser muito melhor. Fazer indíces, biografias, certificados, tabelas... Não senti que aprendi muito mais do que aquilo que já sabia e tanto uso. Todos sabemos que as palavras passe devem ser seguras, certo?

Teorias e Práticas do Jornalismo || Esta foi provavelmente a disciplina que eu mais gostei! Começamos no primeiro semestre, mas é no segundo que é realmente avaliada. Infelizmente cheguei mais tarde no primeiro semestre, e, por isso, não tive possibilidade de fazer alguns trabalhos que nos foram pedidos. O objetivo é sempre ler e saber mais, e ir para o terreno fazer notícias. Escrever reportagens, entrevistas, crónicas e até resumos. Foi nesta UC que senti que encontrei uma das coisas que mais gosto e que estou, atualmente, a trabalhar.

Comunicação e Argumentação || Escrever, escrever, escrever. Como escrever? Analisar textos, conhecer o tipo de argumentos que existem e as falácias que não devemos cometer. Construir títulos apelativos e não deixar de lado os conectores. Procurar ideias, organizá-las, apresentá-las. Como tornar o nosso discurso apelativo e fazer bons ensaios argumentativos.

Sociologia da Comunicação || Provavelmente a UC que menos me cativou. Sociologia pura, o interacionismo de Goffman, Paul Lazarsfeld, a Escola de Frankfurt. O modelo da seringa, two step flow, líderes sociais, quadros de interação, estereótipos e estigmas foram alguns dos temas abordados. O teste foi baseado em reflexões críticas e o trabalho final foi uma transcrição de um programa de Portugueses pelo Mundo.

Comunicação Multimédia || Como estive em Londres e já tinha um diploma de inglês, pedi para alterar a UC de inglês. Podia ter feito o mesmo no 1º semestre, mas, em primeiro, não sabia que podia, e, em segundo, já cheguei tarde e a más horas. Troquei inglês por comunicação multimédia, uma UC que não é do curso de CC, mas sim de TIC. Desde vídeos, a interfaces, usabilidade e interatividade. Textos, vídeos, imagens, gráficos, áudio e animações, os tipos de informações multimédia que estudamos. 

Francês || O meu maior desafio durante este primeiro ano! Pânico total. Pela primeira vez tive francês e custou-me horrores. Não é, de todo, uma língua que goste. Estou a fazer um esforço para perceber mais e evoluir. Ainda que considere mesmo importante saber línguas nesta área, tem de depender muito de nós e se efetivamente queremos. Não temos a língua durante três anos, é apenas um. Por isso, se não tivermos iniciativa, dificilmente vamos conseguir ficar com bases sólidas e que nos permitam falar fluentemente. - foi o que escrevi no primeiro semestre e, perdoem, continuei sem gostar de francês.


Caso tenham interesse no curso, mas estejam indecisos na universidade, aconselho-vos a espreitar a experiência da Leonor. O mesmo curso com percursos muito diferentes.

Guimarães || Penha

 

A Montanha da Penha é um dos locais mais bonitos de Guimarães. Deixem-se perder na natureza e aventurem-se.

Apenas a cinco quilómetros do centro de Guimarães, podes ir de carro ou de teleférico, podes levar comida ou comer por lá. Assume-se como o pulmão da cidade berço, com 60 hectares de área verde preservada, grutas, ermidas, miradouros e até um parque de campismo.

O teleférico de Guimarães é o teleférico mais antigo de Portugal. Entrou em funcionamento a 11 de março de 1995 e faz, desde então, uma viagem de 1.700 metros. O parque de campismo foi distinguido, pelo terceiro ano consecutivo com o certificado Green Key. Se gostas de acampar, esta pode ser uma excelente opção para visitares o norte de Portugal.

O Santuário da Senhora da Penha, um ponto importante de peregrinação, foi inaugurado em 1947 e tem das vistas mais bonitas.





Um lugar para os apaixonados e para os que gostam de um bom pôr do sol. Para se desfrutar da vista para a cidade e, segundo alguns, para ver o mar. 



Teleférico
Preço de ida e volta: 7,5€ para turistas e 1,5€ para residentes. Existem descontos para crianças, jovens e idosos.

Joana || Saudades



Tenho saudades de passear. De cafés. De pessoas. De muitas pessoas. E de pessoas juntas. Tenho saudades de jogos de tabuleiro. De bebidas partilhadas. De viajar. De aviões. Tenho saudades de jantar fora. De jantar em casa da avó. Dos jantares de primos. Tenho saudades de aulas presenciais. De almoços apressados. De escrever muito. Tenho saudades de fotografias. Dos meus amigos. Dos meus afilhados. Tenho saudades da Disney, de Vila do Conde, de Madrid, de Praga, de Amsterdão. De Espanha no geral. De percorrer Portugal. Tenho saudades de festas em família. De distribuir sobremesas. De distribuir abraços. E beijinhos.  Tenho saudades de parques de diversões. De conhecer ruas novas. De visitar museus. De parar a conversar com quem quero. De parar onde quero. Tenho saudades de espaços cheios. 
Tenho saudades de matar saudades.




Joana || Aniversário

Eu, que tanto gosto de abraços, estou quase a fazer anos. Quando disse que queria fazer grande festa aos 25, não esperava que a festa dos 24 fosse tão diferente. Gosto de ter comigo as pessoas que me fazem bem e me levam a alma.

Ainda não sei bem como vou deixar os 23. É estranho. Confesso. Estou a uma semana de fazer anos - registem nas vossas agendas, 9 de maio! -, e só sinto mais ou menos a alegria que todos os anos me invade com um mês de antecedência. E não, não tem a ver com "à medida que crescer fazer anos torna-se menos importante". 

O meu dia de anos é uma espécie de passagem de ano (é mesmo, não é?).  Acho que podemos usar este dia para a reflexão, do que quer que seja. Tenho motivos para, aos 23, estar grata? Quais as coisas que me fazem orgulhosa? Quais foram os momentos mais altos dos 23? Não é por acaso que é, para mim, um dia com muitas emoções à flor da pele. 

O meu aniversário continua a ser um dia de amor, muito especial, que quero partilhar ao máximo com as pessoas que cuidam de mim. Queria poder dar abraços e beijinhos. Queria poder dar uma fatia de bolo a toda a gente. Queria poder ter os meus amigos em casa. A música vai estar no máximo na mesma e vou ter bolo para mim. Sei que vamos estar à distância de uma chamada, mas que, mais tarde, vou fazer a festa que mereço!

Gratidão || Uma carta aos CTT



Acredito que a gratidão se treina. E uma das formas mais fáceis de a treinar é agradecer. Quem diria, não é? Algo tão simples como um obrigad@. E podemos agradecer a muitas coisas e muitas pessoas.

O Markl mostrou-nos a conversa que teve com o filho. O carteiro não para. Chuva. Sol. Pandemia. Passa todos os dias e deixa-nos cartas e encomendas. Sejam cartas de amor, sejam contas para pagar, sejam postais. A U.DREAM deu-me a motivação que eu precisava e incentivou-me.

Tenho a certeza que o mundo se torna um mundo um bocadinho melhor quando agradecemos. E acredito que fazemos a vida dos outros mais sorridente. A verdade é que, mesmo que estejam a ter um dia não, este gesto vai tornar o vosso dia melhor.

Ciências da Comunicação || 1º semestre


Cheguei ao primeiro semestre atrasada, sem fôlego, de dias atarefados em Londres. Confesso que me custou. Senti-me assustada. Não era, de todo, um lugar seguro para mim, por não conhecer ninguém, por chegar com semanas de atraso. Porém, e apesar do meu pouco tempo neste que foi o meu primeiro semestre, considero importante partilhar com vocês aquela que foi a minha experiência.

Apesar de não ser o curso mais prático do mundo, e fui avisada, considero que nos prepara bem para um futuro. No 1º ano não há opcionais, pelo que, caso queiram Ciências da Comunicação na Universidade Católica, são estas as Unidades Curriculares que vão ter. Com a certeza de que os professores fazem toda a diferença em gostarmos ou não de determinadas UCs.


Teorias da Comunicação || Tal como o seu nome indica, é nesta UC que vão aprender as teorias da comunicação. De que forma comunicamos, quais os elementos e dimensões do processo da comunicação numa interação social? Abordamos os modelos da comunicação, aspetos como os emissores e recetores, o ruído, o feedback, tudo aquilo que pode influenciar positiva ou negativamente, o processo de comunicação.

História da Comunicação e dos Média || Quais os primórdios da comunicação? Como surgiu a rádio? E a televisão? Estudamos o cinema, os avanços da fotografia e até do telemóvel. Foi, sem dúvida, uma das minhas disciplinas favoritas. Eu, que nem gosto muito de história, senti-me apaixonada por isto.

Técnicas de Expressão do Português || Escrever em bom português é o foco principal desta UC. Questões como conjugações pronominais, escrever-se porque e por que, saber colocar corretamente a pontuação e regências verbais. Foram estes alguns dos temas que me fizeram gostar ainda mais de escrever. Aplicamos ainda regras de um trabalho científico a um trabalho escrito por nós.

Língua Portuguesa || Sim, saber escrever é um ponto principal nesta universidade, e ainda bem! Verbos, nomes, frases coordenadas e subordinadas, funções sintáticas, semântica e pragmática. Gostei muito de rever a caixinha esquecida das aulas de língua portuguesa e de colocar mais conhecimentos à caixinha. 

Inglês || Esta foi, para mim, a UC que menos gostei. Não senti que evolui no meu nível de inglês e, ainda que façamos muitos trabalhos, senti que a UC podia dar-nos muito mais do que aquilo que efetivamente deu. Desde trabalhos sobre filmes, à União Europeia, a viagens, mas, a meu ver, um pouco vago.

Francês || O meu maior desafio durante este primeiro ano! Pânico total. Pela primeira vez tive francês e custou-me horrores. Não é, de todo, uma língua que goste. Estou a fazer um esforço para perceber mais e evoluir. Ainda que considere mesmo importante saber línguas nesta área, tem de depender muito de nós e se efetivamente queremos. Não temos a língua durante três anos, é apenas um. Por isso, se não tivermos iniciativa, dificilmente vamos conseguir ficar com bases sólidas e que nos permitam falar fluentemente.


Caso tenham interesse no curso, mas estejam indecisos na universidade, aconselho-vos a espreitar a experiência da Leonor. O mesmo curso com percursos muito diferentes.

Televisão || Las Chicas del Cable


Cabeza alta, orgullo y amor propio

Ponto número um deste post: estou obcecada por séries espanholas. E é uma ótima forma para não perder o contacto com a língua.

Ponto número dois: adorei Las Chicas del Cable. Eu sei, isto devia ser o fim do post, mas não resisti.

Vamos ao que interessa. Anos 20. Madrid. Chegaram as telecomunicações e as telefonistas começam a trabalhar. No entanto, a série não retrata só o que se passa na empresa. A série retrata assuntos que ainda são muito atuais como violência doméstica, bissexualidade, aborto, desigualdade. Não passa pelos assuntos de leve, vai a fundo, sem, contudo, ser muito pesada.

A diferença entre a série e a atualidade? As mulheres não tinham voz naquela altura. É neste cenário que quatro mulheres se juntam e tentam lutar por uma vida melhor. Quatro mulheres sempre juntas. Não há nada que uma não faça sem as outras.

A certa altura chegamos à década de 40 e à Segunda Guerra Mundial. E, do nada, vemos uma cidade totalmente diferente. Conhecer Madrid desta forma deixou-me assustada, confesso. Não esperava.

Ponto negativo: banda sonora

Universidade || Aulas Online

Então, sobre o meu primeiro ano em Ciências da Comunicação, eu não sei bem o que dizer. No meu primeiro semestres cheguei tarde, porque vim de Londres. No segundo semestre, chegou o vírus. No total, bem, possivelmente um semestre de aulas(?). Não faço ideia.



Estou há duas semanas a ter aulas online. Imensos pontos positivos, mas pontos negativos também. Confesso que ainda não consegui decifrar e acho que tenho uma relação de amor ódio. Sou uma pessoa super visual. Por isso, faz-me muita confusão não poder ver os professores a andar de um lado para o outro. Eu vejo-os, mas estão sentados, o que não me capta tanto a atenção.

Porém, adoro o facto de não ter de acordar duas horas mais cedo, para me arranjar e chegar a Braga. Já não me lembrava o que era isto - mentira, agora que penso, lembro-me de Madrid -. Posso ter aulas onde eu quiser, desde que tenha internet - jardim, sala, cama -.

Regra número um: nunca fico só de pijama e tomo sempre o pequeno almoço antes das aulas. Ter rotinas deve ser um foco a não perder, completamente. Evito ter o telemóvel perto de mim durante as aulas e tenho sempre os livros das UCs e o caderno de apontamentos.

Ponderei fazer os apontamentos no computador, mas assim não preciso de estar constantemente a olhar para o computador. Nunca gostei de passar dias a olhar para o ecrã e tem sido isso que tem acontecido. Os professores dão as aulas, no horário estipulado, e resolvem dar trabalhos (para casa) para o dia seguinte. Ou seja, tenho aulas das 10 às 17 e depois tenho de fazer trabalhos para lhes enviar por e-mail.

Tudo se aguenta, e se tem de ser assim, que seja. Vamos fazer os possíveis para correr bem!

U.DREAM || À distância também se ama


A U.DREAM é um dos projetos que mais me orgulho de ter feito parte. Continuo a acompanhar diariamente os passinhos que continuam a dar e a verdade é que me orgulho imenso de todos os sonhos, campanhas e outras coisas que vão sendo feitas.

Face à fase em que nos encontramos, a UD decidiu atuar. Se estás em casa, podes ocupar o teu tempo a escrever. Se estás a trabalhar e a situação não te permite estar com os que mais gostas, esperam-te muitas surpresas.

Estou em casa. O que fazer?

Estamos (quase) todos em casa. Estou no meu oitavo dia em casa. As aulas começaram ontem online. Até ver, estou a lidar bem com esta situação. Já tenho coisas engraçadas para contar. Já experimentei muitas aplicações novas. Já vi muitos filmes e séries. Até estudei.


Queres ideias de coisas a fazer?

Prendas || Quadros Personalizados


"Cada quadro conta uma história, cada um me dá uma visão de uma pessoa que eu nem conheço, cada um me deixa ansiosa e orgulhosa. Procuro que cada quadro seja diferente e que vá completamente ao encontro das expectativas e personalidade da pessoa."

1 + 3 || Carta para a Joana



À criança que fui.
Não sei se estás orgulhosa pelo que me tornei. Espero que sim. Fiz por isso, pelo menos. Mais do que ter boas notas e ser aplicada e isto e aquilo, pus sempre o máximo de mim em tudo o que fiz. Não desisti dos sonhos que tinhas. Continuei a dançar. E até fiz o exame de ballet da Royal, o grau VIII. Sei que disto não estavas à espera. Sei que gostavas de conhecer o Mundo. Estou a trabalhar nisso. 
Olha, perdi o medo de cães, mas não de todos, só daqueles em que acho que posso confiar. Lembras-te quando em pequenina adoravas ir às feiras medievais? Lembras-te que havia a Feira Joanina em Guimarães? Agora há a Feira Afonsina. E adivinha. Não perdi o gosto por isto. Isso e o gosto pela fotografia. Posso não fazer nada de jeito, mas não há nada como registar momentos!
Sabes? Continuo apaixonada pela tua cidade, pelo teu clube, pelas tuas tradições. Não mudou nada. Já tirei a carta, orgulha-te - mas não gosto de conduzir -. Tenho aprendido tantas coisas novas. 
Somos iguais a inventar letras de músicas, não duvides. O Natal continua a ser uma das minhas épocas preferidas, e continuo a gostar do frio e da chuva. Custa menos acordar com escuro do que levar com sol na cara. Há coisas que nunca mudam.

Nem sempre vais saber o caminho certo || A vida vai dar-te muitas voltas. Não vais acabar o Mestrado. Mas vais entrar no curso que sempre quiseste. Vais tirar muitas fotografias e amar experimentar rádio. As coisas acontecem por um motivo, ainda que não saibas qual é.

Família vai ser sempre família || Não vais nunca esquecer o que te ensinaram sobre "amigos que são família e família que são amigos". Abraça muito. O amor existe e existe para ser partilhado.

Aprende a gostar de ti || Vais ter mais fotografias tuas. E vais gostar do que vês. Vais gostar daquilo que fazes. Confia mais em ti. E voa.

Não tenhas medo || Receber um não também pode acontecer. E então? Vai. Mesmo que com medo. O pior que pode acontecer é a tua vida ficar exatamente como está. Vais ter medo de muita coisa, mas não serias tão feliz se assim não fosse.