Ciências da Comunicação || 3º semestre

 


Divididos em dois turnos, uma semana em casa, uma semana na universidade. Foi assim que começou o segundo ano. Acabamos muitas vezes por estar todos em casa, mas o objetivo eram as semanas trocadas. Trabalhos e testes à distância, dias atípicos e viagens incertas para Braga. Entre um isolamento profilático e um Natal com a família à distância do clique, foi assim que aconteceu.
Além destas UCs que vos mostro aqui, ainda há Psicologia Social - tive equivalência -, e Jornalismo Impresso que ocupa um pedacinho de horário todo o ano e, por isso, falo mais tarde.


Atelier de Jornalismo Radiofónico || Esperava mais. Uma UC impossível de fazer à distância e, por isso, a única que era 100% presencial. Zero adaptada para o caso de precisarmos de estar em isolamento. Na minha opinião peca por ser "sempre o mesmo". Não posso dizer que não aprendi nada, porque aprendi. Sinto que evolui e o meu gosto pela rádio mantém-se - para quando um estúdio no norte, Mega? -, mas não foi aquilo que esperava e desanimei imenso ao longo do semestre. 

Marketing e Relações Públicas || O que é afinal o marketing? O produto, o preço, a distribuição e a comunicação. Como se comporta o consumidor e análise SWOT. Coisas que já todos ouvimos falar e muitas vezes achamos conhecer. O trabalho de grupo consistiu na realização de um plano de marketing, desde inventar o nosso próprio produto, a fazer uma análise do mercado, dos nossos objetivos, alvos, posicionamento e planos de ação. A parte prática ajuda-nos sempre a compreender como funcionam as coisas, mesmo que seja algo totalmente inventado por nós.

Atelier de Indústrias Criativas || A minha opcional para este semestre. Apesar de ter gostado muito, senti que, em alguns momentos se podia afastar mais de marketing e relações públicas. No trabalho individual peguei no Fado e desconstruí-o enquanto Indústria Cultural e Criativa, um trabalho que me deu imenso gosto fazer. Já o trabalho de grupo sinto que foi demasiado parecido com o de Marketing e Relações Públicas. Neste sentido, acredito que esta UC nos pode dar muito mais do que aquilo que dá efetivamente.

Comunicação, Cognição e Média || Há UCs que, eventualmente, um dia vou perceber qual o interesse final. Talvez esta seja uma delas. Gostei imenso, porque adoro escrever, mas um semestre inteiro de metáforas talvez seja demasiado. A UC que se podia chamar "Metáforas e Metonímias". Apesar de tudo, adorei fazer o trabalho "O drink de fim de tarde na imprensa portuguesa - Conceptualização metafórica do impacto da covid-19 no setor cultural". Parece super complexo à primeira vista, mas foi apenas uma análise de textos, notícias ou não, do Público e das  metáforas e metonímias presentes.


Caso tenham interesse no curso, mas estejam indecisos na universidade, aconselho-vos a espreitar a experiência da Leonor. O mesmo curso com percursos muito diferentes.

Contas a seguir no instagram || Afterclick

 

Acho que descobri o Instagram da Inês durante o confinamento em março. O motivo foi um: #TogethernessReport.

O que foi isto? Um projeto no qual a Inês mostrava uma foto por hora, todos os dias. "A partir de hoje, dia 5 de quarentena, vou publicar uma fotografia por hora. Ajuda-me a sair da minha insuportável imaginação, a criar coisas novas e a ver os mesmos cenários de maneiras diferentes."

Estas fotografias são amor. Visitem o Instagram da Inês, mesmo. Não se vão arrepender.

Na altura, à MAGG, Inês contou o que mais gostou de fotografar. "Aqueles (momentos) em que os miúdos olham lá para fora que me dá uma tristeza de os ter aqui confinados. Mas ao mesmo tempo acho que o olhar deles é para o lado de lá da janela."

Sem um compromisso de horas, estilo ou o que fotografa, a Inês começou um desafio que nos aqueceu um bocadinho os dias difíceis do confinamento.

Aproveitem para seguir a Inês, para ver as fotografias do outro confinamento, e espreitar as que vêm aí.


Olá, 2021


No meio do caos que foi 2020, tive oportunidades bonitas. O ano que acabou deu-me mais idas a Vila do Conde, deixou-me ir ao Porto e a Bragança. Ainda estive em Salamanca, ainda em fevereiro. Foi um ano em que facilmente nos deixou desmotivados. Não fosse ter a possibilidade de começar a trabalhar numa área que gosto e me ter sido dada a oportunidade de fotografar mais, provavelmente teria sido pior. 2020 mostrou-nos o poder das novas tecnologias. Mas trouxe-nos a saudade do banal, das pessoas, dos jantares e da casa cheia.

Nos últimos dias do ano assisti, de lágrimas nos olhos, a um dos momentos que mais esperança me deu. Não é a solução, mas é uma esperança. Temos assistido a um número de casos que cresce de dia para dia. Parece que vivemos a pensar que, a qualquer momento, é a nossa vez. 

Sinto falta de viajar, de grandes eventos e de jogos de futebol no estádio. Em 2020 vivi as Nicolinas mais atípicas de sempre, vi, pela primeira vez, todas as exposições do NocNoc e fiz entrevistas que me encheram o coração. 

A universidade continua a rolar. Uma semana em casa, uma semana na universidade. Zero vontade de fazer testes e trabalhos, mas a amar jornalismo impresso. Se há sete anos me dissessem que hoje estaria no segundo ano de ciências de comunicação, duvidava, mas os meus olhos brilhavam. É real e às parece que ainda não acredito. Lutem pelos vossos sonhos em 2021. Façam-no por vocês. 

A vida vai encarregar-se de vos dar coisas difíceis, seja 2020 ou 2021. Mas também vos vai presentear com coisas bonitas. Confiem mais. Em vocês, e na vida.

 

Christmas is Coming | Amigo Secreto



Acho que quem diz que não gosta de receber presentes está a mentir. Adoro a surpresa de não saber o que vem por baixo de um embrulho e a magia de rasgar o papel.
A Rita presenteou-me com esta caixinha. Finalmente vou conseguir guardar todos os brincos, pulseiras e colares e coisinhas espalhadas pelo quarto. A caixinha foi feita à mão pela Rita, tenho a certeza que com muito amor.

Vejam os posts dos outros duendes do pai natal




 

Christmas is Coming || O que mais gosto no Natal

 


Gosto das luzes e do frio, das músicas, das fotografias e da lareira. Gosto dos filmes de Natal, de ver DIY, de cantar. Gosto de me sentar e ver a felicidade e o brilho nos olhos das pessoas.

Gosto da noite de Natal, da manhã de dia 25, e do dia de Reis.

Gosto de prendas. De dar e de receber.

No Natal sentimo-nos um bocadinho mais felizes e sente-se mais magia, em todos. O Natal torna os dias mais bonitos, não há dúvida disso. E se este ano se sentirem sem vontade para o celebrar, lembrem-se que este é o ano ideal para não deixarem de acreditar. Aproveitem e façam as surpresas que adiam há tanto. Façam aquela chamadinha e digam a alguém o quão gostam de alguém e as saudades que sentem.

Christmas is Coming || Natal Solidário

Esta é uma das histórias de amor mais bonitas que gosto de contar. Conhecer o Zé e a família do Zé foi ter a certeza que somos capazes de qualquer coisa. A felicidade no olhar desta família quando chegamos à neve é mesmo impossível de descrever.

Agora, além de veres o vídeo deste dia incrível, e de me ouvires falar dele, podes comprar o livro “A Aventura de Nória, o boneco de neve”.

“A Aventura de Nória, o boneco de neve” nasce a partir de um sonho e de uma história muito especial - a história do boneco de neve que, num dia de neve e frio, esperava o nosso Zé.


"Há dias que nos enchem de amor e de orgulho e que nos deixam com ainda mais certezas de que a nossa missão é mesmo a melhor forma de mudar o mundo! Hoje é um desses dias. 
É com a maior alegria que apresentamos a coleção de livros “Crescer com Consciência”, que procura eternizar as histórias de crianças especiais a quem a U.DREAM teve o privilégio de realizar sonhos. “A Aventura de Nória, o boneco de neve” é inspirado no sonho do Zé e é a primeira de muitas viagens escritas com a amor e com a consciência de quem quer educar com impacto. 
O livro tem um custo de 10€, que revertem na totalidade para a missão da U.DREAM, e é, também, uma excelente oportunidade de crescer em família. Reserva já o teu e atreve-te a ter um Natal mágico!"

Além do livro, podes comprar outros produtos para este Natal, que te convido a espreitar aqui!


Podem saber mais sobre o livro aqui.



Christmas is Coming | Anúncios e Filmes de Natal

 Hoje vou partilhar apenas um anúncio de Natal. O anúncio que me encheu a alma e que me fez chorar. Obrigada, Vodafone.




Christmas is Coming || Presentes até 10€

 


Estás sem ideias de prendas para oferecer?

A Mr. Wonderful, não fosse uma das minhas marcas favoritas, tem imensas coisas até 10€ que nos fazem derreter!

A Natura é outra marca que apresenta várias opções, como mapas para marcares os lugares onde já foste!

Tiger! Alerta preços baixos e coisas mágicas. Decoração para a casa, jogos divertidos, cadernos, ardósias, têm tudo!

Jogos de tabuleiro são caros, mas há algumas opções que podem ser úteis. Como o UNO ou o DOS, ou até mesmo alguns puzzles.

Fazer DIY é das coisas mais interessantes para oferecer a alguém. É uma prenda única e que podes fazer o que quiseres. Desde vasos em sapatilhas, a imprimir fotografias, a frasquinhos decorados por ti, a vouchers. Qualquer coisa. Põem a imaginação a funcionar.

Christmas is Coming || Decorações de Natal


Sou mais dos vermelhos. Sou das que gosta de decorações pela casa toda. Gosto de investir tempo nas decorações (da casa e dos embrulhos).

O Natal é uma época mágica e deixa o nosso coração bem quentinho. Espero que sintam esta magia como eu e que, este ano, não deixem que nada vos roube o amor.

Quais são as vossas cores de Natal?

Christmas is Coming

 

Neste ano tão atípico, não queremos deixar passar o Natal em branco. Este ano juntei-me a quatro duendes de Natal para espalhar o espirito natalício.

Se te quiseres juntar a nós, és mais que bem vind@! Podes ver na imagem acima os temas que vão invadir o nosso espaço.


Os duendes do pai natal

Guimarães || Novembro

 





Novembro, em Guimarães, não significa começar a pensar no Natal. Para os vimaranenses este é o mês de regressar à cidade mãe, de reencontrar amigos.

Se nos últimos anos dizíamos que "o mundo poderia acabar assim"... bem... agora não podia. Somos vimaranenses. Queremos rasgar mais peles. Queremos ouvir mais pregões. Queremos cumprir mais sonhos. Queremos guardar mais. 

Hoje seria a primeira moina. Hoje trocamos a rua pelo sofá. Trocamos o traje de trabalho pela roupa de isolamento. Trocamos os abraços pelas chamadas, e trocamos os brindes... os brindes não trocamos. Podem ser feitos na mesma, à distância. Trocamos o som das caixas e dos bombos pela música no Youtube. Trocamos o cansaço do fim do dia pelo "vou ver só mais um episódio".

Mas não trocamos as pessoas. Hoje as memórias do Instagram e do Facebook lembraram-nos que a Super vai ser sempre a melhor e que precisamos sempre de alguém com quem partilhar os melhores momentos.


07 de novembro'2020 



Ciências da Comunicação || 2º semestre


O 2º semestre mostrou-nos a capacidade que temos (que ter) para nos adaptarmos a novas situações. Para sermos mais proativos, para tentarmos fazer mais por nós, para perceber o que realmente queremos. Foram poucas as aulas presenciais e trocamos a sala de aula pela nossa casa. Trocamos abraços e bons dias por videochamadas.

A verdade é que, mesmo tentando ter uma rotina, acordar, banho, pequeno-almoço, aulas. Às vezes o horário trocava e o acordar colava-se às aulas, enquanto se comia uma torrada ao olhar para o ecrã. Não foi fácil, com falhas de internet, câmaras que teimavam em não ligar e microfones estragados. Mas cá entre nós, honestamente, eu gostei da experiência, e até preferi. Senti-me mais concentrada. Óbvio que passa muita coisa ao lado, principalmente nas componentes mais práticas, mas na teoria, eu preferi.


Tecnologias da Informação e da Comunicação || Abreviando, TIC. Word, excel, internet... Honestamente, senti que esta UC podia ser muito melhor. Fazer indíces, biografias, certificados, tabelas... Não senti que aprendi muito mais do que aquilo que já sabia e tanto uso. Todos sabemos que as palavras passe devem ser seguras, certo?

Teorias e Práticas do Jornalismo || Esta foi provavelmente a disciplina que eu mais gostei! Começamos no primeiro semestre, mas é no segundo que é realmente avaliada. Infelizmente cheguei mais tarde no primeiro semestre, e, por isso, não tive possibilidade de fazer alguns trabalhos que nos foram pedidos. O objetivo é sempre ler e saber mais, e ir para o terreno fazer notícias. Escrever reportagens, entrevistas, crónicas e até resumos. Foi nesta UC que senti que encontrei uma das coisas que mais gosto e que estou, atualmente, a trabalhar.

Comunicação e Argumentação || Escrever, escrever, escrever. Como escrever? Analisar textos, conhecer o tipo de argumentos que existem e as falácias que não devemos cometer. Construir títulos apelativos e não deixar de lado os conectores. Procurar ideias, organizá-las, apresentá-las. Como tornar o nosso discurso apelativo e fazer bons ensaios argumentativos.

Sociologia da Comunicação || Provavelmente a UC que menos me cativou. Sociologia pura, o interacionismo de Goffman, Paul Lazarsfeld, a Escola de Frankfurt. O modelo da seringa, two step flow, líderes sociais, quadros de interação, estereótipos e estigmas foram alguns dos temas abordados. O teste foi baseado em reflexões críticas e o trabalho final foi uma transcrição de um programa de Portugueses pelo Mundo.

Comunicação Multimédia || Como estive em Londres e já tinha um diploma de inglês, pedi para alterar a UC de inglês. Podia ter feito o mesmo no 1º semestre, mas, em primeiro, não sabia que podia, e, em segundo, já cheguei tarde e a más horas. Troquei inglês por comunicação multimédia, uma UC que não é do curso de CC, mas sim de TIC. Desde vídeos, a interfaces, usabilidade e interatividade. Textos, vídeos, imagens, gráficos, áudio e animações, os tipos de informações multimédia que estudamos. 

Francês || O meu maior desafio durante este primeiro ano! Pânico total. Pela primeira vez tive francês e custou-me horrores. Não é, de todo, uma língua que goste. Estou a fazer um esforço para perceber mais e evoluir. Ainda que considere mesmo importante saber línguas nesta área, tem de depender muito de nós e se efetivamente queremos. Não temos a língua durante três anos, é apenas um. Por isso, se não tivermos iniciativa, dificilmente vamos conseguir ficar com bases sólidas e que nos permitam falar fluentemente. - foi o que escrevi no primeiro semestre e, perdoem, continuei sem gostar de francês.


Caso tenham interesse no curso, mas estejam indecisos na universidade, aconselho-vos a espreitar a experiência da Leonor. O mesmo curso com percursos muito diferentes.